Gato morreu e dono não conseguir ficar sem ele e procurou empresa especializada em clonagem de pets.

Uma empresa de Pequim, na China, consegui clonar um gato pela primeira vez. O passo pode abrir as portas para clonagem de outros animais na sequência. O caso foi registrado em setembro de 2019. Pandas, por exemplo, que estão em extinção, podem ser clonados em breve.

Vale lembrar que se trata do primeiro gato clonado por lá, e não do primeiro animal em si. A empresa Sinogene, desde 2017, já clonou 40 cães, por exemplo. Quem paga pelo procedimento são os donos dos animais, que querem os bichinhos de volta de alguma forma.

Os preços para as clonagens de pets estão na faixa de US$ 35 mil para gatos, e US$ 53 mil para cães. Em entrevista à AFP, o CEO da Sinogene disse que, mesmo sendo caro para realizar o processo, nem todos os clientes são ricos.

O nome do gatinho é “Ail”. O dono dele, Huang Yu, lançou mão da técnica meses após perder o “original”.

Na China, os animais domésticos chegaram a ser proibidos durante a Era Maoísta, entre 1949 e 1976. Sendo assim, os pets se tornaram verdadeiras paixões chinesas quando o período terminou e esta lei caiu.

A China está tentando clonar pandas há 20 anos. A clonagem de um gato pode ajudar a evoluir este processo. Alguns países proíbem a clonagem, mas o procedimento é estudado e realizado, por exemplo, na Coreia do Sul, Estados Unidos e, claro, na China.