Depois de se mudar para a Tailândia em 1996, o artista e pianista inglês Paul Barton, conheceu sua esposa, Khwan e, ao mesmo tempo ele também se apaixonou pelos animais selvagens, começando a se envolver como um ativista.

Barton simpatizava especialmente com as dificuldades dos elefantes locais. O desmatamento da Tailândia de 1975 a 1986 havia deixado especialmente os animais em um estado desesperador.

A madeira da Tailândia havia se tornado tão popular que as florestas, lar de diversos elefantes, foram completamente destruídas.

Além de perderem suas casas, os elefantes eram usados ​​como veículos de construção, obrigados a transportar grande quantidade de peso. Além de serem frequentemente deixados gravemente feridos.

Felizmente em 1989, o governo da Tailândia proibiu a exploração comercial da madeira e os gigantes inofensivos não precisavam mais passar seus dias carregando ​​troncos pesados.

No entanto, suas casas, as florestas de onde veio toda a madeira de teca, desapareceram para sempre e eles não tinham mais um lugar seguro para ir.

Os conservacionistas estabeleceram santuários gigantes que se tornaram a coisa mais próxima que os elefantes tinham de viver na natureza.

Barton visitou um dos santuários, o Elephants World. Foi lá que ele realmente se apaixonou pelas criaturas majestosas. Ele notou especialmente como os elefantes são inteligentes e emocionais. Eles realmente demonstraram empatia por aqueles que os cercavam.

Foi então que Barton teve uma ideia: ele iniciou um programa apenas para os elefantes, tocando música clássica para eles se entreterem. Ele nomeou o programa: Music For Elephants.

“A primeira vez que toquei piano no Elephants World, um elefante cego chamado “Plara” que estava estava tomando seu café da manhã de repente parou de comer e ficou imóvel durante toda a música”, disse Barton.

Em um vídeo, Barton interpreta uma peça particularmente emocional, “Clair de Lune”, para uma elefante que teve uma vida especialmente trágica.

Amphan, a elefante de 80 anos, é parcialmente cega. Para ela, a música é realmente um prazer. Quando Barton toca, ela fica ao lado do piano, hipnotizada pelo belo som.

Então, a coisa mais incrível que poderia acontecer, acontece. O câmera da zoom rosto de Amphan e você pode ver que ela está chorando!